A gigante ISS sairá de 13 países, incluindo o Brasil.

04/02/2019

A ISS, gigante dos serviços de asseio e conservação, manutenção e segurança, disse em comunicado conjunto à UNI Global Union que não foram previstas demissões ou reduções forçadas de pessoal em seu plano de desinvestimento global, que afetará 100 mil trabalhadores em 13 países. .

Os países nos quais a ISS planeja encerrar sua atividade são: Tailândia, Filipinas, Malásia, Brunei, Brasil, Chile, Israel, Estônia, República Tcheca, Hungria, Eslováquia, Eslovênia e Romênia.

Na declaração conjunta com a UNI, a ISS concordou:

  • Implementar a Diretiva dos Direitos Adquiridos (2001/23 / CE) sobre a transferência de empresas nos países da UE em causa, bem como a legislação nacional relevante nos 13 países.
  • que procurará transferir contratos e pessoal em países onde tais regulamentos não são aplicáveis, o que significa que os atuais trabalhadores teriam a oportunidade de trabalhar para o novo proprietário da empresa ou negócio, e
  • que não são previstas demissões forçadas ou reduções de pessoal em relação ao plano de desinvestimento.

O presidente do Setor de Serviços de Manutenção e Segurança da UNI, Eddy Stam, disse: "Falamos sobre os meios de subsistência de 100.000 trabalhadores, mais de 20% da força de trabalho da ISS. A UNI está feliz em ter essas garantias por escrito e vamos pedir a prestação de contas. "


Compartilhe