Infraestrutura cultural chega a 143 municípios brasileiros

06/02/2018

 

A infraestrutura cultural se faz cada vez mais presente no cotidiano do cidadão. Um balanço do ano revela que, até o fim de 2017, 143 municípios brasileiros em 23 estados e no Distrito Federal contam com Centros de Artes e Esportes Unificados (CEUs). Já são 148 unidades em todo o País, com oferta de programas e ações culturais, práticas esportivas e de lazer, formação e qualificação para o mercado de trabalho, serviços sociassistenciais, políticas de prevenção à violência e de inclusão digital.

Instalados em territórios de alta vulnerabilidade social das cidades brasileiras, as Praças CEUs promovem a cidadania e ampliam o acesso a direitos sociais, empoderando a comunidade local. Além disso, a estrutura atrai serviços para o local e bairros do entorno, com a instalação de novos comércios e a movimentação da economia local. Ao promover a formação e qualificação do cidadão, ainda gera melhoria da renda familiar. 

As praças contam com biblioteca, cineteatro – com 40, 60 0u 125 lugares -, laboratório multimídia, salas de oficinas, espaços multiuso, Centro de Referência em Assistência Social (CRAS), além de pista de skate. Há três modelos do equipamento, previstos para terrenos com dimensões mínimas de 700 m², 3.000 m² e 7.000m². Os dois CEUs de maiores dimensões contam também com quadra de eventos coberta, playground e pista de caminhada. 

Programa do governo federal criado em 2010, os Centros de Artes e Esportes Unificados fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) no Eixo Comunidade Cidadã. Cabe ao Ministério da Cultura (MinC) a gestão e a coordenação da implementação desses espaços pelo Brasil. Depois de inaugurados, a gestão do local fica a cargo de um comitê composto por representantes do Poder Público municipal, da sociedade civil organizada (ONGs e Pontos de Cultura) e de moradores do local. O objetivo do governo federal é instalar 330 CEUs em todo o país.

 

Inaugurações pelo Brasil

 

A Praça CEU de Governador Valadares (MG) foi inaugurada com grande festa, no dia 17 de novembro de 2017. A praça de 3.000m² - localizada na avenida Tancredo Neves, no bairro Santa Efigênia – teve investimento de cerca de R$ 3 milhões e já funciona diariamente com atividades de jazz, ballet, capoeira, futebol, ginástica, alongamento para terceira idade e apresentações artísticas. Na inauguração, prestigiaram o espaço o grupo de dança do MC Guth e do grupo Comunidade Viva em Ação.

Ainda em novembro, também em Minas Gerais, a cidade de Ubá recebeu uma unidade CEU com evento de inauguração. Participaram da festa representantes do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), que se manteve atuante na Praça, por meio do projeto "Recrear Comunidades – Criando Novas ideias". O CEU de Ubá conta com a participação das secretarias municipais de Cultura, Turismo e Lazer, e Desenvolvimento Social e cada um dos seus espaços foi batizado com o nome de moradores da cidade que tiveram importante atuação na área cultural e esportiva. A Praça oferece aulas de dança infantil, dança árabe, dança de salão, hip hop, ballet e karatê, dentre outras. O CEU fica na Rua Otacílio Coutinho, S/N, no bairro Cohab, próximo à Escola Estadual Padre Joãzinho.

Um outro destaque do último ano foi a inauguração da Praça do município de Breves, no Pará, construída numa área de grande vulnerabilidade social e considerado o maior complexo cultural e esportivo do arquipélago do Marajó, no estado do Pará. A solenidade aconteceu no dia 30 de novembro, data em que se comemorou os 167 anos de emancipação política da cidade. O evento foi marcado por apresentações artísticas, com danças e músicas típicas da região.

Já em São Paulo, receberam Praças CEUs de destaque os municípios de Votorantim, no dia 3 de dezembro de 2017; e de Indaiatuba, em 27 de setembro. Em Votorantim, os moradores podem fazer atividades esportivas como handebol, vôlei, basquete, ginástica e futsal (masculino e feminino), além de ter acesso a biblioteca, laboratório de multimídia e cineteatro. Já o CEU de Indaiatuba, com 7.000m², oferece oficinas culturais de violão, teatro, desenho e jazz, além de atividades esportivas na quadra coberta como os projetos Esporte Cidadão e Juventude Esportiva, que oferecem aulas de futsal para crianças de 6 a 15 anos e para jovens de 16 a 21 anos, respectivamente.

 

Bengala do bem

 

Aos 64 anos, aposentada, viúva e no segundo casamento, Rita de Cássia de Souza Gomes ficou sabendo do CEU de Maricá (RJ) após ser diagnosticada com um câncer de mama e entrar em depressão. "Uma amiga me recomendou que eu fizesse aulas lá como forma de terapia e está me ajudando muito", conta Rita de Cássia, que se matriculou nos cursos de pintura de tecido e path aplique, que são ministrados pela professora de artesanato Miriam de Souza Vianna.

"A Praça CEU se tornou uma bengala para mim. Não consigo ficar sem ir lá porque a energia e o carinho que recebo de todos, capitaneado pela professora Miriam e começando pelo guarda da recepção, têm sido importantes para o meu tratamento", afirma a aposentada que conseguiu fazer com que o atual marido, o também aposentado Aldair de Moraes Oliveira (60), se matriculasse em aulas de esporte do CEU. Ele começa neste ano, nos mesmos dias e horários de suas aulas de artesanato, a fazer aulas de alongamento e box. "Ele já tinha que me levar todos os dias porque moramos na região de Lagos, em São José de Imbassai, e como era difícil para eu ir de ônibus, com a saúde debilitada, enquanto me levava ele foi ficando estimulado", relata Rita de Cássia.

O CEU de Maricá, que tem 3.000m² e foi inaugurado em 2014, também foi um diferencial na vida da aposentada Vera Lúcia Figueiredo de Oliveira, de 68 anos, que ficou sabendo das atividades do local por meio dos amigos da Terceira Idade. Ela está fazendo aulas de pintura em tecido, uma vez por semana, pela manhã. "Eu gosto muito das aulas, do ambiente e das pessoas que trabalham aqui. Tanto que, assim que terminar esse curso, vou me matricular em outro", afirma Vera Lúcia. 

Em Serra Talhada (PE), a vendedora de seguros Vanessa Gabriele Cipriano de Souza, de 23 anos, acredita que a Praça CEU tem levado mais do que atividades culturais para o município. "Aqui, o CEU tem ajudado bastante no crescimento e desenvolvimento da cidade", disse a vendedora, casada e mãe de Nicolas Davi Pereira Cipriano, de 3 anos. 

De acordo com Vanessa, por meio de visitas mensais da equipe do CEU, que inclui uma assistente social, ela e o marido, o pedreiro Claudiovan Pereira da Silva, de 30 anos, ficaram sabendo do curso de informática e já estão matriculados para as aulas que se iniciam em 2018. "Meu marido tem vontade de mudar de profissão, crescer, e acho que o CEU pode ajudar", acredita Vanessa. Ela também já matriculou o filho em algumas atividades esportivas para iniciantes do Programa de Esporte, Lazer e Cultura (PELC) do Ministério do Esporte, que será desenvolvido no local este ano, em uma parceria da Praça CEU com a prefeitura local. A Praça CEU de Serra Talhada (PE) tem 3.000m² e foi inaugurada em 2016.

 

Fonte: ODS Brasil


Compartilhe



Categorizado em: ODS,